quarta-feira, 9 de junho de 2010

Momento II

O Guitarrista, empunhando seu instrumento, confundia-se com ele. Notas perfuravam a atmosfera, invadiam os cérebros em sinapses melódicas, era o Ecstasy em cada vaso capilar da massa encefálica, era a inundação de serotonina.

Baquetas cruzavam o ar infinitamente, e o Baterista ditava o tempo do movimento de todos os seres presentes, como o Deus do Ritmo, numa frenesi.

O baixo ressonava e marcava a pulsação que estrondava no peito de cada um e circundava, englobava tudo, num abalo sísmico, como só o Mestre dos Graves sabe fazer.

Os sopros geravam uma inundação auditiva e se uniam na Harmonia que afasta o Céu e o Inferno, formando um Acorde Supremo que, separadamente, jamais seriam capazes de fazer.

O vocalista gritava as vozes de todos, uma voz era todas, todas vozes eram uma, o Uno era igual ao Todo.

Tudo aquilo era um turbilhão de emoção, sons e adrenalina, unidos como um grande sistema circulatório, loucura. O sangue fluia, fervendo, e naquele momento, que durou para sempre, ninguém precisava de mais nada para se sentir bem.

2 comentários:

  1. cara, preciso dizer que adorei esse post,eu toco guitarra e pra mim, a musica é o mais importante, e tu descrever esse momento tão unico que é estar emcima do palco tocando, assim com tanta riqueza de detalhes é algo que eu achei muito foda.
    Como amante e apaixonanda demais pela musica, ja tentei descrever esse momento em palavras, mas nunca fiz tão bem assim.
    gostei do blog (:

    meu blog se quiser dar uma olhada
    http://insidemyskiin.blogspot.com/
    ~to te seguindo

    ResponderExcluir